Super Bock

Já todos estamos habituados a ver os mupis da Super Bock pela cidade. Faz parte do dia-a-dia. São divertidos, imaginativos e simples. Para além disso há sempre a tendência positiva (digo eu) de associar a sua comunicação a eventos ou épocas do ano. Uma receita que vai funcionando, ou não fosse a marca líder em Portugal. Alguns desses mupis são hoje recordados por todos, pelo seu sentido de oportunidade e humor.

Esta semana deparei-me com um novo que achei particular. O copy diz: "Líder de Viana a Sagres. Super Bock, Sabor Autêntico." Ora bem, sendo eu um admirador do marketing de guerrilha fiquei logo a pensar se teria sido intencional ou não. Será que se quis apenas dizer que a Super Bock é líder nacional, sem segundas intenções, ou foi mesmo para "picar" a cerveja concorrente? Se o foi, foi muito bem feito! Eu se trabalhasse agora na Sagres estava a refrescar a minha ideia de cerveja mas de cabeça perdida... Afinal, o que se pode fazer? Portugal tem mesmo um cantinho chamado Sagres!

Também veio à baila outra questão: Ora bem, se a Super Bock é líder de Viana a Sagres quem é a líder de Valença a Viana? Será que se esqueçeram desta parte do país?

Delírios de um aspirante a publicitário...

5 comments:

Neurónio Solitário disse...

Estou a ver que percebes de publicidade e de marketing como eu percebo de crochet.
Em primeiro lugar, sim foi propositado. Aqui há uns tempos a SB comprou um outdoor de grande formato à entrada de sagres onde dizia Bem-vindo a SuperBock. Agora veio esse, claramente com segundas intenções. Ora meu amigo... toda a gente gosta de Marketing de Guerrilha. Toda a gente adora ver "sangue publicitário", onde marcas picam outras. Mas fica sabendo que este tipo de comunicação é exclusivo de quem não é líder! Não sabes que a marca líder deve, aparentemente, ignorar a concorrência? Mostrar que não está preocupada com ela porque no fundo ela não lhe pode fazer sombra? A SuperBock é líder. Não pode perder tempo a preocupar-se com adversários insignificantes. Claro que me podes dizer que a Sagres não é um adversário insignificante. Não é de facto e deve ter muita atenção e preocupação por parte do departamento de Mkt da SuperBock. Só que essa preocupação não deve passar para o consumidor. O consumidor comum de imediato pensa que se a líder anda preocupada com os que estão atrás é porque estes lhe andam a fazer sombra. Ou seja, passa uma imagem fragil de um líder que se quer forte e incontestado. É pena que não tenhas visto aqui há uns anos a entrevista na Marketing & Publicidade com o director geral da Optimus na altura. Não sei se é o mesmo agora. Dizia ele que o grande erro da Telecel foi ter retaliado aos ataques da Optimus na mesma moeda. Na altura em que a Optimus entrou, a TMN e a Telecel repartiam o mercado mais ou menos com a mesma cota. A Optimus entra com campanhas agressivas, diminuindo as líderes, dizendo que só ela tinha rede em todo o país por exemplo, ou dizendo que o seu serviço era melhor. Em suma, a Optimus atacou a qualidade dos seus concorrentes. O que acontece? A TMN ignora, lança novos tarifários e novas campanhas de preço como se fosse a coisa mais natural do mundo (não passando a imagem de que o faz porque a Optimus assim o obriga). Actualiza os seus preços para a nova era do mercado das comunicações móveis. A Telecel entra em guerra aberta com a Optimus. Responde aos seus ataques com campanhas atacando a empresa da SONAE. Cria-se uma verdadeira guerrilha e um combate que já não era de preços mas de princípios. A certa altura, a verdadeira competição entre Telecel e Optimus era ver qual delas enxovalhava mais a outra. Tudo feito dentro do politicamente correcto e entre sorrisos cínicos e campanhas muito bónítas. Resultado final? Quem mais ganhou com isto foi a TMN. A Telecel descaracterizou-se completamente e os seus clientes não mais se sentiram identificados com ela. A maior parte passou para a TMN. A outra a vencer foi a Optimus. O outsider que se apresentava como alternativa (tornada credível graças à estupidez da Telecel) ganha clientes à concorrente e ganha muitos novos clientes graças aos seus tarifários fantásticos para empresas e malta jovem. A Telecel teve o desfecho que se sabe. Entrou numa curva descendente que cedo se tornou uma descida a pique e acabou vendida à Vodafone (a saída honrosa e menos má para a empresa).
Tudo isto foi claramente assumido pelo tipo da Optimus que assumiu que essa era mesmo a intenção, fazer a Telecel responder. E nesse mesmo artigo elogiou a estratégia da TMN que de forma inteligente se soube adaptar aos novos tempos do mercado sem descaracterizar a marca perante os seus clientes.

Não penso que este piropo da SB venha a conduzir a uma situação de tais proporções. Mas por princípio já é errado. Ate porque parte da iniciativa da líder que resolveu ir incomodar uma concorrente que até estava no seu canto descansada e a fazer o seu trabalho. Se ficar por aqui, não trará problemas de maior. Mas que é um erro de gestão de marketing (ainda que pequeno) isso é.

abraços

P.S.- uma palavra só para as campanhas da SB que são sempre engraçadas e mostram bastante o produto mas que eu já há algum tempo esgotaram a sua validade. Neste momento, a maioria delas são apenas mais do mesmo ligeiramente diferente. A mais gira que vi nos últimos tempos foi a Gloriosa SLB em que se brincava com o rótulo da cerveja (pode ser vista junto ao estádio da luz). Tudo o resto... já enjoa um bocado. Digo eu...

Neurónio Solitário disse...

Nem de propósito... aproveita e espreita:

http://blogpublicidades.blogspot.com/

David disse...

Amigo... estás a comparar coisas incomparáveis. Eu "que não percebo nada de marketing" devo dizer-te que, ao dizeres isso, esqueces algo muito importante: É que quando a optimus surgiu, o mercado das telecomunicações móveis estava ainda em crescimento e desenvolvimento, ou seja, qualquer estratégia de marketing levada a cabo por uma das operadoras teria uma influência directa considerável no consumidor e poderia traçar a sua tendência futura. Por isso, é que a Telecel se deu mal, porque em vez de se preocupar com a TMN preocupou-se com a Optimus. O caso das cervejas é diferente. O mercado está completamente consolidado, até estagnado. A Super Bock é líder incontestável e quase que apetece dizer que não se passa nada à sua volta, portanto, e apesar de ser líder, qual é o problema em "perder tempo" como dizes? Eu não sei se é tanto "perder tempo". Acho muito mais do que isso. E ao fazê-lo achas que "passa a imagem de um líder frágil"?? Diz-me uma coisa: Qual é a imagem que tens da Super Bock neste momento? é FRÁGIL?? Ninguém tem essa imagem da Super Bock só porque ela se "preocupou" com a Sagres. Simplesmente a SB já fez os trabalhos de casa, lançou produtos novos, novas campanhas, reforçou a sua posição... E achas que agora estão com medo da concorrente porque fazem um mupi daqueles? Bem me parecia que não.

Neurónio Solitário disse...

A mim, dá a sensação que a Sagres deve estar a ganhar quota de mercado ou em vias disso. Senão, porque outra razão a SB sairia da sua linha de campanha habitual para ir atacar um concorrente, coisa que de resto nunca fez?

A Sagres Bohemia deve andar a dar-lhes a volta à cabeça...

merdinhas disse...

E não há nada de particularmente estranho nesse cartaz? Tenho na calha um post a fazer essa pergunta...
Quanto à guerra de cervejas passo a citar: ". Tal queixa tem por objecto uma campanha publicitária recentemente lançada, ... estando em causa anúncios, veiculados em outdoors, que contêm a afirmação "Cerveja Oficial dos Festivais de Verão".
Segundo a mesma queixa, essa publicidade seria ilícita, falsa e enganosa, pois faria crer ao consumidor a existência de um reconhecimento oficial relativo à marca Super Bock que não lhe foi conferido por qualquer entidade.
Ainda, ... pressupõe que a marca Super Bock seja oficialmente reconhecida como marca patrocinadora dos festivais de Verão realizados em Portugal, o que, manifestamente não é o caso."